18.10.17

querida C.

No meio desta azafama que é a vida, vais-te impondo, ganhando confiança, criando raízes, conquistando sorrisos... muito longe deixas as memórias dos teus primeiros dias de vida frágil... tão longe que mal os consigo associar a ti, a nós. A vida é uma luta e tu, minha reguila, aprendeste-o desde o primeiro suspiro. É tão difícil não gostar de ti, desse teu jeito doce e maroto. É impossível fugir ao teu abraço e não derreter com o teu beijo repenicado. 


Hoje completas 4 anos de uma vida cheia de aprendizagens, alegrias, saúde, com alguns dramas e birras à mistura, mas sempre disposta a seguir em frente levando-nos a reboque num reboliço enérgico de emoções. Todos os dias agradeço não termos desistido de ti, não há um só em que me arrependa.

Não te deixes moldar, sê tu o molde. Não caminhes na sombra dos outros porque o teu caminho, aquele que fazes consciente e tantas vezes solitária, esse, te garanto, será sempre o teu melhor caminho. Não és igual a ninguém e não o tens de ser, é a diferença que nos torna únicos e a unicidade é a garantia maior de um futuro plural, limpo e verdadeiro.
Mora em mim a esperança de que esse teu jeito independente te faça conquistar o teu mundo, sem medo do desconhecido, com coragem para te levantares sempre, mais uma e outra vez, com o mesmo coração generoso que possuis mas com a frieza necessária para te afastares do que/quem te faz/fez mal.


És o nosso ser de luz, uma luz que nos banha de fé e nos enche de esperança... desde o primeiro dia em que te conheci, ainda dentro da minha barriga.

Hoje é o teu dia, hoje e todos os restantes 364... Parabéns meu amor gigante, és e serás sempre a nossa budinha linda ♥

12.10.17

ansiedade social [imperfeições alheias]

“A ansiedade social ocorre frequentemente lá atrás na infância como uma parte normal do desenvolvimento social e passa despercebida até a idade adulta.
As causas e frequência da ansiedade social variam consideravelmente, dependendo de cada pessoa.
A maioria de nós pode sentir um certo nervosismo em determinadas situações sociais, como fazer uma apresentação, sair para um encontro, ou participar de uma competição. Isso é normal e na maioria dos casos não é transtorno da ansiedade social.
O transtorno da ansiedade social é quando as interações sociais do dia a dia causam medo excessivo, autoconsciência e vergonha.
Coisas simples como comer em lugares públicos ou interagir com estranhos podem se tornar desafios consideráveis para uma pessoa que sofre de transtorno da ansiedade social.”
(em www.ansiedadepanico.com)


Por vezes necessitamos abrandar, respirar fundo três vezes e verificar o que nos deixa instáveis, cansados, desmotivados. A ansiedade é um dos diagnósticos que mais pode demorar a percepcionar sem assistência médica pois achamos que andamos apenas mais stressados que o costume ou que são pequenas fases mais atribuladas e vamos engolindo os problemas.
A questão fulcral é que mais de metade da população sofre ou virá a sofrer de ansiedade, de depressão crónica, de fobias cada vez mais irracionais e incapacitantes; a humanidade não se tem adaptado eficazmente para a crescente multiplicação de tarefas, para o crescimento desenfreado de empregos esgotantes, para a descaracterização do bem estar dos povos, para as mudanças climáticas e consequentes doenças novas…

Parece contraditório que se ganhe mais hoje, na generalidade, que se tenha melhores condições de habitação, melhores veículos de transporte, mais modernidade, mais benefícios mas que andemos mais doentes, mais desiludidos, mais amorfos e muito menos solidários; há um egoísmo que cresce à velocidade da luz, uma soberba de minorias que continuam a encurralar os desfavorecidos, os que trabalham por conta de outrem, os desfavorecidos física e intelectualmente, os agredidos pela sociedade apenas por nascerem em determinado país ou de determinado género. Terrivelmente vai uma sociedade quando os valores de paz, solidariedade, beneficência, amor são renegados e onde imperam o capitalismo, a soberba, a ganância, o desrespeito, o ódio, a ditadura de valores, escolhas ou pensamento; quando quase todos nos tornamos cordeiros que seguem cegamente crenças políticas, religiosas ou ideológicas, o mundo perde a essência do que se obteve com a evolução do homem que gerou vida atrás de vida, descobriu a ciência, a medicina, evoluiu na psicologia, na sociologia, lutou por ideais, transformou magia em realidade…

Toda esta diferença de comportamentos gera indivíduos cada dia mais ansiosos, agressivos, dissociados da realidade, gera uma população cada vez mais absorvida nos empregos esgotantes, nas escolhas frustradas, em casamentos incompatíveis, em solidões duradouras e gera gaps profundas entre pais, filhos e avós numa roda viva de experiências cada vez mais insatisfatórias e descartáveis.

Mas, retomando o tópico da ansiedade, há quem conviva durante anos com este mal-estar que é provocado maioritariamente por uma baixa auto-estima e dificuldade em se aceitar e valorizar perante os demais; estas pessoas têm dificuldade em socializar no meio de multidões, de pessoas com interesses díspares, são indivíduos sossegados e tímidos que não gostam dos holofotes do protagonismo mesmo que, entre os seus, ajam com naturalidade e à-vontade; a ansiedade provém de um crescimento mais solitário embora o afecto familiar esteja presente, pois a ansiedade não é geralmente associada a pessoas com historial afectivo negativo. A pessoa que sofre de ansiedade nervosa é funcional, não carrega os mesmos sinais de um depressivo crónico, e geralmente consegue obter resultados satisfatórios apenas com ajuda de psicoterapia e exercícios que elevem a auto-estima e geram reforço das qualidades inatas que estão apenas bloqueadas pelo cérebro ansioso. Não é fácil conviver rodeado por receios de falhanços consecutivos, ter a sensação de que todos nos observam e comentam qualquer falha, qualquer silêncio mal interpretado, não é saudável impor ao organismo as descargas de stress diário sempre que uma crise de pânico ou de choro surge sem causa aparente.
Por vezes são precisos vários anos para se entender que a questão principal não é a timidez, não é a preferência por estar sozinho no seu canto, não é a personalidade mais introvertida que desarma o cérebro e o faz rodopiar por um mar de dúvidas, de medos, de inaptidões sociais, de frustrações que mitigam os dias e castigam o futuro de quem se vê sobressaltado por fantasmas criados no cerne da inteligência, no centro do coração; o ser humano ansioso demora a amar-se, a desprender-se dos “e se…”, dos “mas porque é que eu não…” , custa-lhe respirar quando tudo parece falhar à sua volta, encolhe-se perante sonhos mais ousados e quase sempre se culpa pelas suas falhas e pelas falhas dos outros para consigo, a ansiedade rouba a paz de quem se coloca sempre em segundo plano e se crê inferior à imagem que os outros têm; uma das lutas de quem sofre de ansiedade é entender que o importante não é o que os outros possam pensar de si, que o mundo não está focado nas suas falhas e nas suas quedas e que o seu valor só depende dele mesmo; o ansioso perde-se na imagem que cria do que os outros possam pensar, ou seja, para aquele que anseia demais quase todos lhe parecem existir de dedo em riste à espera que caia, falhe ou seja incapaz de atingir um propósito.

A ansiedade pode ser esgotante, retira ao indivíduo as suas capacidades máximas de se impor perante as suas escolhas, os seus desejos, de sonhar alto e concretizar o que lhe faz feliz e não o que faz bem aos outros; o ansioso vive mais para os outros que para si, é-lhe difícil dizer não ou respeitar-se quando de si abusam, acaba numa roda de culpa por não ser capaz de se impor quando muitos se aproveitam da sua bondade, do seu coração sensível.

Em muitos casos de ansiedade há por detrás um indivíduo inteligente, criativo, bondoso, crente no lado bom da humanidade, sensível, honesto, pacificador, teimoso para com a vida e extremamente intuitivo mas que, por razões por vezes desconhecidas à primeira “vista”, se encolhe perante o espelho e se diminui perante as constantes mudanças sociais e situações onde não consegue encaixar-se; um ansioso tem dificuldade em entender porque se distanciam cada vez mais as pessoas, não lhe é fácil conviver com a arrogância e o desprezo, não se dá bem com as modas do crescente individualismo cego, não se consegue rever nos quotidianos onde a maioria se atropela, não comunica, não é solidário, agride com facilidade, desentende a diferença e critica o que foge aos ditos parâmetros globalizados.

Não quero contudo que se entenda que a “culpa” de alguém ser ansioso é da sociedade mas é de facto a sociedade que na sua dificuldade de entrosamento pode dificultar a vivência de quem ama demais, sente demais, expia demais os pecados e se despedaça na incapacidade de ser apenas mais um autómato social; talvez a ansiedade incapacite até ser curada mas dentro de um ansioso há um coração sincero que apenas gostava de conseguir colorir o mundo!
  

10.10.17

de ♥ [quase] perfeita ♥ diy halloween



Podia meter uma foto minha com os cabelos em pé que é, e será, o meu estado natural deste mês de Outubro que mais parece um Halloween privado com o mês a fugir-me e eu feita louca a correr atrás dele. Mas vamos antes para uma versão mais soft do dia das bruxas.

Cá em casa, desde que vivo em Inglaterra e tenho as miúdas, que nos dedicamos a esculpir caras defeituosas em abóboras que colocamos à porta e iluminamos com velas. A casa enche-se de teias de aranha, morcegos fluorescentes pendem das janelas e velas dão mistério a todo o ambiente. Uma taça de doces é estendida a monstros e monstrinhos que nos vão batendo à porta e nós, vestidos a rigor, fazemos as honras da casa de um Drácula e uma bruxa que se casaram e tiveram uma morceguinha e uma bruxinha gata.
Este ano esqueçam lá isso tudo... pelo menos esqueçam as teias de aranha e os morcegos. As abóboras são um desperdício mas na verdade são minutos de enorme convívio e cumplicidade entre pai e filhas que já viraram tradição por aqui, o resto faz-se o que se pode. Mas não será por eu não decorar a casa com o mesmo esmero e dedicação que nos anos anteriores que vocês não o podem e devem fazer. Deixo três ideias giras e fáceis para este Halloween, mãos à obra!